• Capitolina Revista

Prisca Agustoni

Poesia


Nota da autora:

Esse é um livro de poemas que nasceram a partir da experiência (individual e universal) da migração. Migração física, migração linguística, o instinto de reconstrução que habita todos aqueles que por alguma razão saem da própria cultura (e de si) para serem habitados por outra, outras. Por isso convoco o diálogo, sempre presente, com tantos outros migrantes, como Agota Kristof, autora central à minha formação tanto intelectual quanto pessoal, escritora de nacionalidade húngara que se refugiou na Suíça, em Neuchâtel, onde se reinventou (como operária, como mãe de uma filha) e escreveu uma obra muito potente numa língua que ao chegar, em 1956, ela sequer falava e que ela definia como sendo a “língua inimiga”. Ela é uma das autoras que convidei para dialogarem comigo dentro desse livro.

Os poemas que compõem o livro existem também em italiano e estão em fase de auto tradução para o francês, essa terceira margem do rio no qual fiz morada.

cette langue qui tue ma langue maternelle:

a língua inimiga entra

pelos ouvidos e escorre

até à aorta

ali espera e rosna

um cão que sabe

o estranho à espreita

atrás da porta

nessa língua feita cão

que ladra

e rói o osso

da língua morta

a operária húngara

escreve seu caderno

como uma Penélope,

mais uma,

ela própria no exílio

tecendo

sua mortalha:

Agota Kristof

espera

a volta da língua

sacrificada,

a certeza da escrita

como única casa

rascunho eterno

numa língua torta

(Poema extraído do livro O MUNDO MUTILADO, no prelo com a editora Quelônio (São Paulo), com ilustrações da artista suíça Anna Allenbach.)



Prisca Agustoni nasceu na Suíça, em 1975. Formou-se em Letras Hispânicas e Filosofia na universidade de Genebra / Suíça, onde morou até mudar-se para o Brasil, em 2002. É docente de literatura italiana e comparada na Universidade Federal de Juiz de Fora, poeta e tradutora. Escreve em italiano, francês e português, e se autotraduz nas três línguas. É autora de vários livros, entre eles Inventário de vozes (2001), Sorelle di fieno (2002), Días emigrantes (2004), A recusa (2009), A morsa (2010), Un ciel provisoire (2015), Hora zero (2016), Casa dos ossos (2017), os livros de contos A neve ilícita (2006) e Cosa resta del bianco (2014) e o livro de ensaios O Atlântico em movimento: signos da diáspora africana na poesia contemporânea de língua portuguesa (2013).



0 views

STAY CONNECTED

  • Facebook Clean